quinta-feira, 1 de agosto de 2019

COMADESPE realiza 86ª Assembleia Geral Ordinária em clima de movimento pentecostal

A Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Estado de São Paulo e Outros –COMADESPE- reuniu seus ministros filiados, nos dias 25 a 28 de julho, na cidade de Sorocaba para realizar a 86ª Assembleia Geral Ordinária- AGO. Para os pastores, evento aconteceu no Lar São Vicente de Paula, enquanto às esposas dos pastores e crianças, no Golden Park Hotel. Sob o tema “ Pentecostes a Força Geradora de Missões”, mais de 1500 pessoas de 147 ministérios filiados participaram do encontro.


Nova diretoria da COMADESPE. Foto: COMADESPE
Foram preletores, os pastores Mike Harper, North Texas District-USA, Edvaldo Florêncio da Silva de Bragança Paulista-SP, Altair Germano da cidade de Abreu e Lima -PE, Injoong Kim da agência de evangelismo GP - Global Partners - Coréia do Sul e Hélio H. Rodrigues do Texas- USA.

presidente da COMADESPE, pr. Carlos Roberto-
28. jul.19/ COMADESPE
Além das escolas bíblicas realizadas nos períodos da manhã e tarde, na 86ª AGO da COMADESPE foi eleita a nova diretoria para o biênio 2019-2021 e indicados os membros dos conselhos para atender as diversas áreas de atuação da agremiação.  “ Que a Comadespe, através da sua Diretoria, demais órgãos e ministérios filiados, cumpra seu papel de fomentar a Missão  Total da Igreja em todos os seus aspectos, sem esquecer da eminente volta do Senhor Jesus a qualquer momento", declara o presidente da convenção e presidente da Assembleia de Deus Ministério de Cubatão, pastor Carlos Roberto Silva.

O treinamento para o exercício do ministério foi um dos objetivos alcançados pelos convencionais, que participaram da 86ª AGO. As exposições da bíblia " teve fator preponderante influenciando os ministros e os auxiliando com ferramentas bíblico/teológicas e secular,  para melhor conduzirem suas  ovelhas para o grande encontro com Cristo sem, no entanto, se esquecerem de atentar à família com maior diligência neste ambiente desafiador, bem como aclareando nas mentes  comprometidas com missões sua urgência, compromisso e importância ainda no séc. XXI", Declara o 2º secretário COMADESPE  e presidente da Assembleia de Deus Ministério Paulista, pastor José Verneques.

Para o presidente da Assembleia de Deus Filadélfia, pastor Robson Cabral Vasconcelos, que contou com cerca de 270 pessoas na equipe para hospedar o evento, a comunhão entre os líderes de diversas cidades, estados e países é o maior legado deixado pelo convenção. "A AGO foi um laço que uniu todo o povo ainda mais. A igreja descobriu o poder do serviço com excelência", declara o pastor.

Por Marcos Cruz


sexta-feira, 5 de julho de 2019

Vanilda Bordieri se irrita com críticos do seu terceiro casamento


Pelo Twitter, nesta quinta feira (4), a cantora Vanilda Bordieri pediu aos fans que deixem de ouvi-la, caso sintam-se incomodados com o seu terceiro casamento.

Na mensagem, a artista fala dos dois divórcios pelos quais passou e, não assegura a continuidade do atual casamento. Afirma também, que não pretende viver uma história de mentira e, que os verdadeiros adoradores não precisam de máscaras.

Várias questões na mensagem da cantora precisam ser estudadas.  Primeiro, na memória de quem a artista pretende recuperar dados sobre os divórcios pelos quais ela passou? Tal fato é percebido no início da mensagem quando diz “Ah lembrando”. Lembrando quem? Suponho que a cantora referiu-se a quem lidera igreja, pelo fato de apresentar como prerrogativa, o poder de não convida-la para cantar. Geralmente, quem autoriza o convite para um artista é o líder de uma igreja.  A eles, diz a cantora, “Não me convide”. Outrossim, é possível que alguém que não queira ouvi-la convide-a para cantar?

Vanilda escreveu que não pretende "mostrar uma história de mentira". Será que ela referiu-se a esconder os divórcios que enfrentou, ou não falar que está no terceiro casamento; talvez, na mente dela, manter o casamento é uma mentira , ou então, não acabar o casamento atual que ela tem?...

A máscara e seus usuários merecem atenção. Será que os adoradores que não se separaram duas vezes, não estão no terceiro casamento e não se pronunciaram publicamente, usam máscara?...

Sobre casamento e divórcio, há muita controvérsia. Há cristãos que defendem o casamento único e indissolúvel. Mas, outros, admitem a separação por muitos motivos. E Jesus o que disse?

Entre todas as respostas que Cristo deu aos que o indagaram sobre o divórcio, registrado em Mateus capítulo 19, a que mais me chama atenção, é a que ele afirma que o casamento é único e indissolúvel; que desde o princípio, o divórcio não está no plano divino para o casamento; e o que separa o casal é a dureza de coração.

Portanto, quer por adultério, incompatibilidade de personalidade  ou qualquer outro motivo que não seja a morte, o divórcio, segundo Jesus, ocorre por dureza de coração.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Musical Azusa, renovação, alegria e muita graça

Musical Azusa. foto da minha sobrinha, Wendy Vatanabe Cruz

No último sábado (16), assisti o Musical Azusa, que está em cartaz no teatro Procópio Ferreira. Fui totalmente impactado!
Sob a direção do Caíque Oliveira,  e com Adhemar de Campos, Soraia Moraes, Benner Jack , Aline Meneses e mais 47 atores no elenco, a peça retrata a história do grande avivamento ocorrido no início do século XX, na rua Azusa em Los Angeles – EUA.
O fato histórico se deu em 1906, momento de forte segregação racial, onde negros não podiam se misturar com brancos nem mesmo para congregar. William Joseph Saymour, afrodescendente, pobre foi o pregador que Deus usou para trazer o avivamento que rompeu com as barreiras operantes na época e, marcou o início do novo tempo na America e no mundo.
A rua Azusa tornou-se conhecida pelos milagres que aconteciam durante os períodos de orações e culto. Paralíticos andavam, cegos enxergavam, mudos falavam além do batismo com o Espírito Santo e a evidencia do falar em línguas que as pessoas recebiam.
com Adhemar de Campos no Procópio Ferreira 16/2/19.
 foto: alguém,que não sei o nome, fez.
Passaram pelo movimento, os missionários suecos Daniel Berg e Gunnar Vingrem, fundadores das Assembleias de Deus no Brasil. Além deles, Luiz Francescon da Congregação Cristã e outros líderes de movimentos pentecostais que desembarcaram e desenvolveram ministérios em terras brasileiras.
A peça é comovente de começo a fim. O Cenários, os figurinos , as luzes, tudo encanta. Os cantores com vozes afinadíssimas levam o público ao céu , enquanto cantam em quatro naipes.
Para fechar a sessão, na saída, fui surpreendido com a presença do humilde Adhemar de Campos, que esperava o público na portaria para os cumprimentar. Não perdi a oportunidade para fazer a foto.
Recomendo que assistam, é show!!!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Pancadão da família, domingo as 18 horas

Funkeiros cantam e dançam na catedral da AD em Mdureira

A busca para alcançar grandes massas tem feito com que muitos pastores lancem mão de “tudo”, no processo evangelístico. Meios que outrora foram condenados pela igreja, agora são aplicados tranquilamente, como se nada mudara. Foi assim com a guitarra, bateria, televisão e outros.
Nos últimos dias, temos visto a igreja mergulhar nas batidas do funk carioca e entrar na onda dos cantores que se intitulam evangélicos, mesmo que suas letras fazem apologia ao erotismo e, nos shows, apresentam performance totalmente sensual.
É o caso da funkeira, carioca,  Viviane Queiros ,23, que mesmo com as músicas “bota tudão”e “ perdendo a linha” entre outras, se declara evangélica, e chegou a ter, no mês de janeiro, um relacionamento com o pastor da Igreja Pentecostal Tempo de Milagre, Leonardo Sale.  Pocahontas não vê problemas em conciliar a carreira artística com a fé, por que segundo ela “ só faço bem para as pessoas”, declarou em entrevista ao g1.
O problema não é a cantora se declarar evangélica, mas a igreja evangélica pentecostal assimilar a musica funk e inseri-la no culto.
O arranjo surgiu nos Estados Unidos na década de 60, com pianista Horace Silver, que uniu o jazz e o soul, e criou o “Funk Style”, mas as posições elevadas nas paradas de sucessos, só veiaram através de James Brow.
No Brasil, na década de 80, a equipe de som Furacão 2000, foi responsável pela introdução e massificação do toque através dos bailes dançantes.  Embalado pela conhecida “loura do funk”, Verônica Costa, na época, esposa de Romulo Costa, dono da equipe, o balanço deu os primeiros passos no sentido da sensualidade. Alguns anos depois, surgiram os “bondes”, e hoje, está impregnado em boa parte da sociedade brasileira.
A forte penetração que o ritmo alcançou na juventude fez com que algumas igrejas do movimento pentecostal tradicional, como Assembleia de Deus Ministério de Madureira, presidida pelo pastor Abner Ferreira, abrisse as portas da catedral para as primeiras apresentações de cantores e dançarinos de funk em Julho de 2012. Desde então, não poucos pastores tem dado oportunidade aos “MCs”, a fim de se apresentarem nos cultos. Apoiado pelos embalados movimentos de Aline Barros, na música “Dança do Pinguim”, o ritmo avança e cria, na base, a aceitação da música funk.
O fato é que além de Pocahontas se dizer evangélica, mesmo com toda a apologia que faz ao erotismo, outros cantores também se revelaram como “funkeiros gospel”. então me pergunto, até quando as igrejas que se abriram para os “funk gospel”, se manterão fechadas, para o
pesadão, proibidão e outros?
Creio que a sedução pelo grande público fará com que pastores se prostrem rapidamente aos diferentes estilos musicais, independente do que cantam ou dançam. Desde que tragam capital social para a igreja, podem promover o que quiserem. Penso que na batida do funk, muitos pastores se tornarão empresários, os templos em casas de shows, os membros em públicos, mas os artistas não precisarão se transformar em nada, pois os mesmos já são e estão na igreja, apenas se revelarão.
É possível que num futuro próximo o “pancadão da família” será uma realidade para todos os domingos, a partir das 18 horas, nos templos evangélicos.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Deus não se nivela por baixo



Atribuir à queda do helicóptero que matou o jornalista Ricardo Boechat à vingança de Deus, é no mínimo falta de seriedade na interpretação da bíblia.
Nos últimos dias circulou pelas redes sociais, mensagens que se referiram ao desafeto que o jornalista da Band teve com o pastor Silas Malafaia, e a entrevista que deu ao apresentador Danilo Gentili , no seu programa de entrevista no SBT, como o motivo da tragédia ocorrida em 11 de fevereiro de 2019 e, que vitimou o Boechat e o piloto da aeronave.
Tais mensagens são expostas com base no texto de Dt 32.35 que diz, “minha é a vingança, diz o Senhor dos Exércitos”, e em outros que apontam o dia em que os ímpios receberão a punição pelo distanciamento do evangelho de Cristo.
Acontece que vingança, em primeiro lugar, é algo que o próprio Deus proíbe para os crentes. (confira em Lv 19.18; Rm 12.19). Outro texto dize que o “Senhor vingará os servos, trará vingança aos adversários”. (Dt. 32.43) . Será que Deus tinha o Boechat como adversário? O jornalista era tão grande a ponto de se constituir um adversário compatível à Deus? Será que conseguiu ofende-Lo?
Orlando Boyer, refere-se a vingar, como “infligir punição a alguém para satisfação pessoal de (uma pessoa ofendida)”. (Boyer O.S. pequena enciclopédia bíblica pág.641-Vida) 
É pequeno pensar que Deus se ofenderia com o jornalista pelos motivos acima e, o puniria por meio da tragédia. Também é confuso interpretar os acidentes ou tragédias como punição e vingança da parte de Deus, porque pastores como Luís Antônio, (morto no acidente com o avião da Tam em 2007) tiveram a vida ceifada também de forma trágica e, não eram blasfemos, incrédulos, escarnecedores e etc.
Fica mais difícil conceber essa ideia, porque a vingança é movida pelo ódio, rancor e coisas semelhantes. Sentimentos que jamais poderíamos encontrar em Deus. Pois o Senhor está acima de toda essa compreensão que temos do fato.
Quanto à morte do Ricardo Boechat, não tenho dúvidas de que foi ocasionada por uma pane mecânica. Além disso, não creio que Deus tenha provocado o defeito na aeronave para mata-lo. Também não o enxerguei tão grande a ponto de provocar a ira de Deus, e nem entendo oTodo poderoso tão pequeno, a ponto de executar planos baseados no rancor.
Que o âncora do jornal da Band se encontrará com o Eterno no dia do julgamento, vai! Que dará conta de tudo o que disse e fez, sim!  Se ele se arrependeu momentos antes de morrer, não sei! Não posso julgar ninguém. Não tenho esse direito e, nem sou justo para tal coisa! Mas creio que todas as correções anunciadas pelo Senhor, ao longo de tantos anos, certamente virão sobre ele e todos os que não acreditaram na palavra de Deus enquanto viveram.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Curso Ética Ministerial ( Curso Livre)


O curso é baseado no livro Ética Ministerial , de James Carter e Joe E. Trull, editora Vida nova.
Com linguagem clara, destina-se a obreiros, líderes de departamentos, ministros de louvor, e interessados em liderança de igreja. Entre os assuntos, serão tratados o relacionamento do líder com os vizinhos, amigos, família,igreja , negócios, saúde , além de abordar os cuidados que o ministro deve ter, a fim de não se envolver, com escândalos como adultério e abuso sexual.
Em oito horas, presencial ou por videoconferência, trataremos também de assuntos relacionados ao dia a dia da congregação. É um curso básico de formação de obreiros.
Para participar do curso na plataforma videoconferência, é necessário tem boa conexão na internet,um dispositivo móvel que pode ser um celular, tablet, notebbook ou computador. Além de um fone de ouvidos com microfone (headset), é importante o uso de bloco de anotações para aproveitar o curso.
As aulas perdidas poderão ser revistas por meio do link, onde ficarão as gravações após cada aula.
Obs: O certificado só será emitido para o aluno que participar de 80% das aulas.



quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

É preciso examinar o que é pregado no púlpito








pastor joga balde de água nos membros para que haja manifestação
do "espírito". imagem internet

O que esperar do mundo evangélico atual, que está mais comprometido com a realização pessoal neste mundo do que com a vida celestial? Pior do que pregar algo descomprometido com o que realmente está escrito, é ouvir algo que errado e sequer, ter a ciência de o que se ouviu estava errado. Enganado pelo engano!
Temos presenciado cada coisa chamada de pregação que está realmente difícil discernir o que realmente é uma pregação. A questão não se limita apernas as pregações, mas também ao canto, liturgia, oração, jejum , movimentos muito mais.
O que dizer dos chamados apóstolos destes dias? São tantas especificações, para tantos objetivos que não sabemos a quem chamar. Não sei se chamo pelo apóstolo da vida, da prosperidade, da conquista enfim, qual?
A invasão das práticas mirabolantes toma parte cada vez mais da liturgia de muitas igrejas. Elas mais parecem um circo do que templo de adoração e louvor. Outros serviriam como dubles em muitos filmes americanos. O pior de tudo é a aceitação inquestionável de tais coisas pela igreja.
O fato mais recente que circulou pelas redes sociais, foi o vídeo do pastor de uma determinada igreja, que ao jogar baldes d'água nas pessoas, elas se agitam como se estivessem num extasie espiritual.  
Precisamos ler a bíblia! Precisamos estudar a bíblia e interpreta-la com oração e temor. Precisamos pensar se as referidas ocorrências tem fundamentação bíblica ou não. O fato de que na bíblia, passagens relatam milagres executados pelo Cristo, que, passou saliva nos olhos de um cego e também na língua de um mudo, e ambos foram curados, não nos dá o direito de criar regras, liturgias, movimentos ou divinizar o método para curar as pessoas. Não é possível que se invente o “santo cuspe” ou o “cuspe ungido”, ou "santa água do balde"!
Povo de Deus, tomemos cuidado com essas coisas miraculosas.
O evangelho do Cristo vivo é simples, sério, poderoso e não precisa de invenções para atrair multidões. Ele é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que nele crê.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Dê onde veio o "espírito mau" que atormentava Shaul?


Não é possível acreditar que o Diabo não tenha responsabilidade no tormento que rei sofreu


texto 1 Sm 16.14
Português

"Ora, o Espírito do Senhor retirou-se de Saul , e o atormentava um espírito maligno da parte do Senhor".

Hebraico

"ורוח יהוה סעם שאול ובעתתו רוח חעה מאת יהוה"


davi-tocao-harpa-perante-saul-by-william-brassey-hole_
eliseu-antonio-gomes_belverede

 A lição do primeiro trimestre deste ano,comentada pelo pastor Esequias Soares, discute o tema “Batalha Espiritual”. O assunto é bom, promove discussão na classe e, desperta o senso crítico nos alunos.
No entanto, há um ponto que o pastor comenta no Livro, e dele, quero falar.
Assim diz o comentarista na página 25: “... uma vez que o Espírito do Senhor se retirou de Saul, isso indica não ser mais ele o escolhido para reinar, e dessa forma Deus enviou o ‘espírito mau’ para o assombrar e o atormentar. Trata-se de um espirito da parte de Deus, e não de Satanás”. Soares,  E. Batalha Espiritual. CPAD, 2018
A meu ver, o autor tira a responsabilidade do diabo  nesse episódio, ao destacar que o espirito mau não é da parte do diabo ( e não do Diabo), e coloca na conta de Deus.  Dá-se a impressão, de que, o “espírito mau”, fez todo o processo sem querer, e que Deus, por sua soberania, determinou que o referido espirito fizesse a desgraça na vida do monarca. 
Ao analisar o texto com mais cuidado, percebemos que a locução “ da parte de”, utilizada nas traduções Almeida, sugere a interpretação de que Deus enviou o espírito. Mas no hebraico a expressão utilizada é “מאת” “meet”, que traz a ideia de "procedência", ou seja, deslocamento que alguém faz de um local para outro,  "ponto de partida ", e não "em nome de" , como sugere o comentarista da lição.
Assim penso que com a autorização do Todo Poderoso, o “espírito mau” veio de “junto” de Deus, mas não “da parte” ou "em nome de Deus", como sugere a interpretação do comentarista da lição. De “junto” de Deus o Diabo também saiu para provar o Jó.
Portanto, entendo que Deus autorizou que o “espírito mau” fizesse o que fez com Shaul, mas não que Deus o tenha ordenado e o nomeado para executar a missão, embora Deus seja soberano.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Como reconhecer o chamado divino?


Muitos cristãos não conseguem identificar os meios usados por Deus para realizar o chamado específico e sofrem por isso

imagem Google
Que Deus chama o homem para realizar tarefas específicas, todos sabem. Mas identificar a chamada dEle especificamente para nós, é tarefa difícil. Quem quer reconhece-la a fim de atendê-lo, precisa atentar-se aos diversos meios e sinais usados por Ele para convocar seus servos. 
Podemos pensar nas chamadas feitas a Abrão, Moisés e outros, realizadas por meio de aparições extraordinárias, mas também no modelo usado pelo profeta Elias ao convocar o jovem Eliseu, Jesus ao chamar os discípulos, Paulo ao chamar os jovens Timóteo, Tito e outros. Estes foram feitos por meio de uma conversa, um diálogo que culminou num convite.
Vamos pensar na forma que Cristo chamou o apóstolo Paulo.
Diz-nos o texto de Atos 26.12-14 que o apóstolo narrava sua conversão a Cristo, para o rei Agripa, quando disse: “com essa ocupação, eu ia a Damasco com poderes e comissão dos principais sacerdotes quando, ao meio dia, ó rei, indo pelo caminho, vi uma luz do céu que superava o resplendor do sol, a qual rodeou a mim e aos que iam comigo. E caindo todos nós por terra, ouvi uma voz que me falava e, me dizia em língua hebraica: ‘Sha’ul, Sha’ul ´por que você continua a Me perseguir? Será muito doloroso você chutar os aguilhoes de boi!’ 
Aguilhão, usado para espetar boi. imagem
Google
John Stott escreveu em seu livro intitulado “Por que Sou cristão”, a partir da pág. 20, que Paulo teve algumas oportunidades para se converter, antes do encontro com Cristo a caminho de Damasco. Tais aberturas foram intitulados pelo escritor como "aguilhão", (ponta de ferro da aguilhada -Aurélio 2017),  usado para espetar o boi a fim de que siga para uma direção. Segundo o escritor, Cristo estava em busca de Saulo para algo específico, como Ele mesmo declarou à Ananias em Atos 9.15, " ... este é para mim um vaso escolhido". Os ensejos observados pelo escritor foram:  O  aprendizado que Paulo recebeu de Gamaliel, (mente), presenciar o apedrejamento de Estevão, ( memória), o conhecimento da lei, como declarou o próprio apóstolo ,"fui zeloso da lei", uma vez que ela mostrava o erro ao homem e seu estado perante  Deus. (consciência). Por fim, a chamada feita pelo pró
prio Cristo por meio de todas as experiências e oportunidades que o apóstolo teve desde a infância, nas quais deveria refletir (espírito).
Seguindo este raciocínio, passemos a pensar no ambiente em que vivemos como um meio utilizado pelo Mestre para nos chamar. Normalmente ele apresenta uma vocação, um foco, uma direção e devemos observa-lo. Se for voltado ao campo missionário, logo, as pessoas que lá estão serão influenciados pelas missões e assim por diante.
Outro ponto refere-se às pessoas que estão ao nosso lado, que foram colocadas para nos ensinar. Geralmente somos influenciados por elas. Em muitos exemplos bíblicos percebemos tais influencias. Vejam: Eli treinou Samuel, Moisés treinou Josué, Paulo treinou Timóteo e assim por diante. Embora neste último caso, o jovem não teve livros incluídos no Cânon sagrado, como seu mestre, ele acompanhava Paulo enquanto ,o apóstolo, escrevia algumas epístolas. ( 1 Ts 1.1; 2 Ts 1.1; 2 Cor 1.1; Fil 1.1; Cl 1.1), o que não impede-nos de pensar que o jovem teria escrito belos textos direcionados aos seus contemporâneos e liderados. Certamente o estilo de ministério exercido pelo apóstolo foi adotado pelo jovem pastor.
Sendo assim, pergunto se o cristão pode esperar uma chamada sobrenatural da parte de Deus para si próprio como receberam os exemplos já citados? Sim! Mas não deve descartar as chamadas realizadas por meio da comunidade onde está inserido. Os professores, a igreja e a vertente dela, o desejo pessoal de cada um , as habilidades desenvolvida ao longo da vida, o conhecimento adquirido por meio da academia, as experiências de vida, além das chamadas específicas, todas podem ser usadas por Deus para que  a pessoa se ingresse no serviço sagrado. É questão de atenção, sensibilidade e oração!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

VIGÍLIA E JANTAR MARCAM A PASSAGEM DO ANO NA ADMI



Membros e convidados oraram, cantaram e se alegraram no culto da virada 


Igreja em oração na passagem do ano.
Foto: Boaz Almeida

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério de Interlagos (ADMI) realizou o culto da virada em 31 de dezembro, no seu templo sede, localizado na zona sul de São Paulo. O evento contou com a presença dos membros da igreja e convidados. Além do culto, um jantar fechou a noite de celebração pela passagem do ano.
Houve louvores, orações, pregações da palavra de Deus, premiações para os alunos da escola dominical que mais acumularam pontos durante o ano e estiveram na celebração e, também testemunhos dos irmãos. Um após outro, contou experiências que impactou os integrantes da reunião e, os levou a glorificar a Deus.
As igrejas evangélicas realizam o ‘culto da virada’ como oportunidade para o povo consagrar o novo ano à Deus. Também possibilita que pessoas que não tem o hábito de frequentar cultos semanais, como amigos, vizinhos e parentes, participem do evento.
Convidados do membro Daiane e Leandro
Alencar, participaram do evento. Foto Victor Luiz
A presença dos membros não se dá por meio de convocação oficial, apesar de algumas igrejas o colocarem na agenda, mas por meio de convite feito aos membros.
Muitos ministérios aproveitam a oportunidade para ministrar aos participantes, mensagens de incentivo que impactam os ouvintes a fim de que tenham ânimo para o novo ano.
A ADMI realiza o evento há mais de dez anos. Já o fez em Buffet, onde contratou todo o serviço oferecido pela empresa, mas nos últimos anos realizou em seu próprio templo, já que possui o espaço que permite a acomodação de até 150 pessoas na parte superior do templo.
Jantar da virada realizado na parte
 superior do Templo da ADMI

Nesse evento participaram mais de 80 pessoas.