quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

É preciso examinar o que é pregado no púlpito








pastor joga balde de água nos membros para que haja manifestação
do "espírito". imagem internet

O que esperar do mundo evangélico atual, que está mais comprometido com a realização pessoal neste mundo do que com a vida celestial? Pior do que pregar algo descomprometido com o que realmente está escrito, é ouvir algo que errado e sequer, ter a ciência de o que se ouviu estava errado. Enganado pelo engano!
Temos presenciado cada coisa chamada de pregação que está realmente difícil discernir o que realmente é uma pregação. A questão não se limita apernas as pregações, mas também ao canto, liturgia, oração, jejum , movimentos muito mais.
O que dizer dos chamados apóstolos destes dias? São tantas especificações, para tantos objetivos que não sabemos a quem chamar. Não sei se chamo pelo apóstolo da vida, da prosperidade, da conquista enfim, qual?
A invasão das práticas mirabolantes toma parte cada vez mais da liturgia de muitas igrejas. Elas mais parecem um circo do que templo de adoração e louvor. Outros serviriam como dubles em muitos filmes americanos. O pior de tudo é a aceitação inquestionável de tais coisas pela igreja.
O fato mais recente que circulou pelas redes sociais, foi o vídeo do pastor de uma determinada igreja, que ao jogar baldes d'água nas pessoas, elas se agitam como se estivessem num extasie espiritual.  
Precisamos ler a bíblia! Precisamos estudar a bíblia e interpreta-la com oração e temor. Precisamos pensar se as referidas ocorrências tem fundamentação bíblica ou não. O fato de que na bíblia, passagens relatam milagres executados pelo Cristo, que, passou saliva nos olhos de um cego e também na língua de um mudo, e ambos foram curados, não nos dá o direito de criar regras, liturgias, movimentos ou divinizar o método para curar as pessoas. Não é possível que se invente o “santo cuspe” ou o “cuspe ungido”, ou "santa água do balde"!
Povo de Deus, tomemos cuidado com essas coisas miraculosas.
O evangelho do Cristo vivo é simples, sério, poderoso e não precisa de invenções para atrair multidões. Ele é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que nele crê.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Dê onde veio o "espírito mau" que atormentava Shaul?


Não é possível acreditar que o Diabo não tenha responsabilidade no tormento que rei sofreu


texto 1 Sm 16.14
Português

"Ora, o Espírito do Senhor retirou-se de Saul , e o atormentava um espírito maligno da parte do Senhor".

Hebraico

"ורוח יהוה סעם שאול ובעתתו רוח חעה מאת יהוה"


davi-tocao-harpa-perante-saul-by-william-brassey-hole_
eliseu-antonio-gomes_belverede

 A lição do primeiro trimestre deste ano,comentada pelo pastor Esequias Soares, discute o tema “Batalha Espiritual”. O assunto é bom, promove discussão na classe e, desperta o senso crítico nos alunos.
No entanto, há um ponto que o pastor comenta no Livro, e dele, quero falar.
Assim diz o comentarista na página 25: “... uma vez que o Espírito do Senhor se retirou de Saul, isso indica não ser mais ele o escolhido para reinar, e dessa forma Deus enviou o ‘espírito mau’ para o assombrar e o atormentar. Trata-se de um espirito da parte de Deus, e não de Satanás”. Soares,  E. Batalha Espiritual. CPAD, 2018
A meu ver, o autor tira a responsabilidade do diabo  nesse episódio, ao destacar que o espirito mau não é da parte do diabo ( e não do Diabo), e coloca na conta de Deus.  Dá-se a impressão, de que, o “espírito mau”, fez todo o processo sem querer, e que Deus, por sua soberania, determinou que o referido espirito fizesse a desgraça na vida do monarca. 
Ao analisar o texto com mais cuidado, percebemos que a locução “ da parte de”, utilizada nas traduções Almeida, sugere a interpretação de que Deus enviou o espírito. Mas no hebraico a expressão utilizada é “מאת” “meet”, que traz a ideia de "procedência", ou seja, deslocamento que alguém faz de um local para outro,  "ponto de partida ", e não "em nome de" , como sugere o comentarista da lição.
Assim penso que com a autorização do Todo Poderoso, o “espírito mau” veio de “junto” de Deus, mas não “da parte” ou "em nome de Deus", como sugere a interpretação do comentarista da lição. De “junto” de Deus o Diabo também saiu para provar o Jó.
Portanto, entendo que Deus autorizou que o “espírito mau” fizesse o que fez com Shaul, mas não que Deus o tenha ordenado e o nomeado para executar a missão, embora Deus seja soberano.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Como reconhecer o chamado divino?


Muitos cristãos não conseguem identificar os meios usados por Deus para realizar o chamado específico e sofrem por isso

imagem Google
Que Deus chama o homem para realizar tarefas específicas, todos sabem. Mas identificar a chamada dEle especificamente para nós, é tarefa difícil. Quem quer reconhece-la a fim de atendê-lo, precisa atentar-se aos diversos meios e sinais usados por Ele para convocar seus servos. 
Podemos pensar nas chamadas feitas a Abrão, Moisés e outros, realizadas por meio de aparições extraordinárias, mas também no modelo usado pelo profeta Elias ao convocar o jovem Eliseu, Jesus ao chamar os discípulos, Paulo ao chamar os jovens Timóteo, Tito e outros. Estes foram feitos por meio de uma conversa, um diálogo que culminou num convite.
Vamos pensar na forma que Cristo chamou o apóstolo Paulo.
Diz-nos o texto de Atos 26.12-14 que o apóstolo narrava sua conversão a Cristo, para o rei Agripa, quando disse: “com essa ocupação, eu ia a Damasco com poderes e comissão dos principais sacerdotes quando, ao meio dia, ó rei, indo pelo caminho, vi uma luz do céu que superava o resplendor do sol, a qual rodeou a mim e aos que iam comigo. E caindo todos nós por terra, ouvi uma voz que me falava e, me dizia em língua hebraica: ‘Sha’ul, Sha’ul ´por que você continua a Me perseguir? Será muito doloroso você chutar os aguilhoes de boi!’ 
Aguilhão, usado para espetar boi. imagem
Google
John Stott escreveu em seu livro intitulado “Por que Sou cristão”, a partir da pág. 20, que Paulo teve algumas oportunidades para se converter, antes do encontro com Cristo a caminho de Damasco. Tais aberturas foram intitulados pelo escritor como "aguilhão", (ponta de ferro da aguilhada -Aurélio 2017),  usado para espetar o boi a fim de que siga para uma direção. Segundo o escritor, Cristo estava em busca de Saulo para algo específico, como Ele mesmo declarou à Ananias em Atos 9.15, " ... este é para mim um vaso escolhido". Os ensejos observados pelo escritor foram:  O  aprendizado que Paulo recebeu de Gamaliel, (mente), presenciar o apedrejamento de Estevão, ( memória), o conhecimento da lei, como declarou o próprio apóstolo ,"fui zeloso da lei", uma vez que ela mostrava o erro ao homem e seu estado perante  Deus. (consciência). Por fim, a chamada feita pelo pró
prio Cristo por meio de todas as experiências e oportunidades que o apóstolo teve desde a infância, nas quais deveria refletir (espírito).
Seguindo este raciocínio, passemos a pensar no ambiente em que vivemos como um meio utilizado pelo Mestre para nos chamar. Normalmente ele apresenta uma vocação, um foco, uma direção e devemos observa-lo. Se for voltado ao campo missionário, logo, as pessoas que lá estão serão influenciados pelas missões e assim por diante.
Outro ponto refere-se às pessoas que estão ao nosso lado, que foram colocadas para nos ensinar. Geralmente somos influenciados por elas. Em muitos exemplos bíblicos percebemos tais influencias. Vejam: Eli treinou Samuel, Moisés treinou Josué, Paulo treinou Timóteo e assim por diante. Embora neste último caso, o jovem não teve livros incluídos no Cânon sagrado, como seu mestre, ele acompanhava Paulo enquanto ,o apóstolo, escrevia algumas epístolas. ( 1 Ts 1.1; 2 Ts 1.1; 2 Cor 1.1; Fil 1.1; Cl 1.1), o que não impede-nos de pensar que o jovem teria escrito belos textos direcionados aos seus contemporâneos e liderados. Certamente o estilo de ministério exercido pelo apóstolo foi adotado pelo jovem pastor.
Sendo assim, pergunto se o cristão pode esperar uma chamada sobrenatural da parte de Deus para si próprio como receberam os exemplos já citados? Sim! Mas não deve descartar as chamadas realizadas por meio da comunidade onde está inserido. Os professores, a igreja e a vertente dela, o desejo pessoal de cada um , as habilidades desenvolvida ao longo da vida, o conhecimento adquirido por meio da academia, as experiências de vida, além das chamadas específicas, todas podem ser usadas por Deus para que  a pessoa se ingresse no serviço sagrado. É questão de atenção, sensibilidade e oração!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

VIGÍLIA E JANTAR MARCAM A PASSAGEM DO ANO NA ADMI



Membros e convidados oraram, cantaram e se alegraram no culto da virada 


Igreja em oração na passagem do ano.
Foto: Boaz Almeida

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério de Interlagos (ADMI) realizou o culto da virada em 31 de dezembro, no seu templo sede, localizado na zona sul de São Paulo. O evento contou com a presença dos membros da igreja e convidados. Além do culto, um jantar fechou a noite de celebração pela passagem do ano.
Houve louvores, orações, pregações da palavra de Deus, premiações para os alunos da escola dominical que mais acumularam pontos durante o ano e estiveram na celebração e, também testemunhos dos irmãos. Um após outro, contou experiências que impactou os integrantes da reunião e, os levou a glorificar a Deus.
As igrejas evangélicas realizam o ‘culto da virada’ como oportunidade para o povo consagrar o novo ano à Deus. Também possibilita que pessoas que não tem o hábito de frequentar cultos semanais, como amigos, vizinhos e parentes, participem do evento.
Convidados do membro Daiane e Leandro
Alencar, participaram do evento. Foto Victor Luiz
A presença dos membros não se dá por meio de convocação oficial, apesar de algumas igrejas o colocarem na agenda, mas por meio de convite feito aos membros.
Muitos ministérios aproveitam a oportunidade para ministrar aos participantes, mensagens de incentivo que impactam os ouvintes a fim de que tenham ânimo para o novo ano.
A ADMI realiza o evento há mais de dez anos. Já o fez em Buffet, onde contratou todo o serviço oferecido pela empresa, mas nos últimos anos realizou em seu próprio templo, já que possui o espaço que permite a acomodação de até 150 pessoas na parte superior do templo.
Jantar da virada realizado na parte
 superior do Templo da ADMI

Nesse evento participaram mais de 80 pessoas.